Vender  com Prazer
Muita gente se sente mal por vender sua própria arte. Neste artigo, quero quebrar a mentira do vendedor de almas e também quero te ensinar a vender sem dor...

Como vender sua mensagem sem vender sua alma?

Contadores de histórias são criativos – e criativos geralmente não se dão bem com a parte da venda de sua mensagem. Muitos têm vergonha de colocar um preço em seu conteúdo, enquanto outros simplesmente se sentem mal por cobrarem por sua arte.

Neste artigo, quero quebrar a mentira do vendedor de almas e também quero te ensinar a vender melhor seu conteúdo, ok? Vamos, juntos, até o final do texto!

 

Como se dar valor

Lembro que certa vez um advogado amigo de minha tia aceitou receber galinhas e camisetas porque não sabia cobrar pelo próprio trabalho.

Eu mesma, em meus tempos como designer, no início, baixava a cabeça e olhava para o chão no momento de dizer quanto era meu serviço.

Eu aprendi com Chandler Bolt que, quando o assunto é marketing, as pessoas escolhem um dos caminhos da seguinte bifurcação:

1. ou:

  • amam o marketing;
  • trabalham com o marketing; e
  • fazem com que o marketing pareça fácil.

2. ou…

  • detestam o marketing;
  • evitam o marketing; e
  • acham que estão vendendo a própria alma.

Acredite: você não precisa ir pelo caminho dos odiadores do marketing só porque é criativo. Marketing é sobre ter novas ideias e ajudar as pessoas a encontrarem essas ideias.

 

Quebrando a errônea noção de que “dinheiro é sujo”

Você não precisa vender sua alma para conseguir ter dinheiro!

Fazer marketing simplesmente significa entender as pessoas e entregar soluções incríveis para elas. E você não precisa perder sua autenticidade nesse processo, muito pelo contrário: quanto mais autêntico você for, melhor posicionado você ficará. Quer exemplos de pessoas que fizeram isso? Nem preciso pensar muito. Provavelmente qualquer pessoa que você conheça e goste atualmente, de José Saramago, fucking Anita a Albert Einstein.

Muitas pessoas criativas têm um medão de vender, e aí acabam não conseguindo crescer como poderiam, caso acreditassem no próprio potencial. Vender é bom e prazeroso.

Quando você vende, não está fazendo um favor a ninguém. Você está trocando um bom trabalho pelo que ele realmente vale. E está, literalmente, mudando o mundo, nesse processo, com sua mensagem.

Coloque uma coisa muito simples na caixola: marketing e dinheiro são ferramentas que giram ao redor de sua mensagem. É como o sol e os planetas.

Marketing e dinheiro versus sua arte

Qualquer pessoa na galáxia – ou, pelo menos, no planeta terra – necessita vender. Seja você um microempreendedor, seja você um visionário ou ainda um sonhador (não tem problema!), para viver nesse mundo de forma digna, você precisa ter dinheiro para comprar e usufruir daquilo que deseja, certo?

 

Você se acha fraco demais para vender?

Veja se consegue acompanhar meu raciocínio…

Apesar de você entender que precisa e deve vender, sente aquele receio de empreender e colocar suas ideias em prática… talvez porque alguém te disse que a sua ideia ou esse tipo de negócio não tenha futuro, talvez porque você não tem 100% de confiança de que tudo dará certo e será a seu favor, mas, se você não acreditar em si mesmo, em suas intuições e sonhos, que resultado terá?

Dalai Lama certa vez disse que a profunda raiz do fracasso na vida das pessoas envolve o pensamento de que se é muito inútil e fraco

Se você já pensou coisas como:

  • já existe gente demais por aí…
  • ninguém pagaria por isso…
  • sou muito novo/velho para isso…

Você caiu justamente nas palavras do Dalai Lama.

 

Pense como o CEO da Starbucks

Viver com medo não colabora em nada para o seu progresso e desempenho. Seja qual for a área em que você trabalhe, se você permite sentir-se inseguro quanto à própria capacidade de empreender e gerar resultados, essa mentalidade produzirá efeitos negativos em sua vida.

Isso quer dizer que, em primeiro lugar, ao ter um sonho, você precisa ter uma mente firme sobre o próprio sucesso… você precisa saber que realmente almeja realizar, FAZER (e não só sonhar).

Quantas pessoas não começaram do zero, com ideias que foram intensamente criticadas (ou ignoradas) e que, de modo esforçado e engajado, conseguiram gerar resultados surpreendentes?!

 

Apresentando Howard Schultz

Você conhece Howard Schultz, por exemplo?

Ele é CEO do Starbucks e tem um jeito muito proveitoso de empreender.

Bem, esse homem nasceu em um conjunto habitacional onde só pessoas de baixa renda residiam.

Em uma entrevista que deu ao jornal britânico Mirror, Howard falou que, sempre que olhava para o outro lado da cidade, sabia que as pessoas tinham dinheiro e viviam bem. Ele sabia que vivia do outro lado dos trilhos…

Para sua alegria, ele recebeu em determinada época, uma bolsa de futebol para jogar na University Of Northern Michigan e logo depois foi chamado para trabalhar na empresa Xerox.

Depois de ter algumas experiências profissionais, decidiu assumir uma cafeteria. Sim, daí surgiu a Starbucks!

A partir disso, Howard começou a crescer de forma extraordinária. Ele cuidou da cafeteria até que ela se tornasse uma das maiores franquias do mundo.

Já pensou se ele tivesse dito: “naaa… tem muita cafeteria por aí, não vai dar certo…”???

Para se lembrar sempre dessa história, pense o seguinte: café nunca é demais, nem nunca é igual. Assim como sua mensagem.

Não existe café igual, da mesma forma que não existem mensagens iguais.

– Alvarenga, Carol (2017)

😛

Há muitas pessoas com histórias inspiradoras capazes de fazerem você chorar copiosamente. Essas pessoas não nasceram em berço de ouro. Não são príncipes ou princesas, nem possuem parentesco com a realeza.

Só que elas acreditaram em si mesmas e souberam dizer: “Eu consigo”!

Elas conduziram suas vidas sem se preocupar se fracassariam.

Procuraram focar em dar o seu máximo, porque só visavam o sucesso, e suas metas estavam nele, em todo o tempo.

 

Você não nasceu assim: você se TORNOU assim!

Esses empreendedores não são tão diferentes de nós! Muitos nasceram em bairros pobres, tinham poucas condições financeiras, alguns nem eram formados…

Mas existia algo em comum em todos eles. Eles acreditaram, eles tiveram uma verdadeira paixão por suas ideias. Mesmo que ninguém acreditasse em seu potencial, eles, por si só, acreditavam que essa paixão genuína era suficiente para que enfrentassem toda e qualquer tempestade que houvesse ou que surgisse com o passar do tempo.

Enfrentar o medo é um passo fundamental para ser bem-sucedido.

Muitas pessoas vivem com medo. Qualquer um que decidisse alguma coisa importante teve medo. Qualquer empreendedor, escritor, criativo… a crise, a economia abalada, a falta de emprego, o emprego que temos medo de perder, até mesmo alguma outra situação de dificuldade gera certo mal-estar a diversos empreendedores e profissionais.

 

Ser criativo e intuitivo, na verdade, faz a DIFERENÇA

Desde os primórdios do tempo, muito se fala em intuição…

Todas as pessoas têm intuição, inclusive sobre negócios e vendas. A intuição sempre foi denominada como um dos maiores mistérios existente na natureza humana. Isso porque, por intuição, muita gente já conseguiu se proteger de problemas, riscos muito grandes e perigos iminentes.

É difícil explicar o poder que a intuição tem na vida das pessoas, embora ela seja essencial para a vida de qualquer indivíduo. Quando as decisões são motivadas pela intuição, os resultados, muitas vezes, podem ser melhores que as informações racionais.

 

Intuição FUN-CIO-NA!

A intuição é uma ferramenta cerebral que serve não somente para resguardar alguém, mas também para ajudar em outros sentidos.

Quem nunca sentiu um arrepio sobre determinada coisa ou um sentimento de ALERTA constante sobre determinado assunto?

Da mesma forma, muitos empreendedores já sentiram que deveriam seguir por determinado caminho, mesmo que não fizesse sentido algum, inicialmente. Isso acontece com muitas pessoas e algum dia pode já ter acontecido com você.

Intuição muda o rumo da história!

A diferença é que, quando você dá vazão ao medo, deixa de conseguir enxergar outras possibilidades.

Segundo alguns cientistas e psicólogos, a intuição é, na verdade, uma expressão não verbal que se desenvolve no campo cerebral fazendo com que a pessoa se sinta estimulada ou não a ter determinadas atitudes.

Portanto, a sua intuição sobre determinado tipo de ação pode lhe beneficiar – e muito –, mas todas as vezes em que você permitir que o medo se sobreponha, aí, sim, você ficará limitado de agir proveitosamente.

 

Veja estes dados: empreender no Brasil é um desafio, mas não é impossível

Sim é verdade que nosso País possui uma das taxas tributárias mais altas do planeta (e a mais alta da América Latina e do Caribe). Isso é apontado por um estudo que foi feito pela OCDE – Organização Para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, revelando que os brasileiros pagam cerca de 33,4% sobre taxas e impostos de acordo com os dados mais recentes.

Ser empreendedor aqui é um grande desafio, mas gerir um negócio e vender é bom, sim.

Ainda mais porque, ao se tornar chefe e líder, você, como profissional, adquire experiência que só um empresário passa a ter no desempenho de suas responsabilidades.

Segundo pesquisas recentes – feitas em janeiro de 2017, por meio da Global Future Of Work –, 39% dos empresários do Brasil estão mais convictos que o seu negócio irá crescer 50% num período entre 3 a 5 anos de existência, dada as condições e oportunidades do mercado. Já o número de perspectiva no EUA não chega a ultrapassar nem 19%.

Gráfico – Empreender no Brasil VERSUS empreender nos EUA

Aí você pensa… “Ok, mas como vender em tempo de crise e diante a tão forte concorrência do mercado”?

Vender não é algo impossível, já que todo mundo que vive nesse mundo precisa consumir, comer, vestir-se, entre outras necessidades. Um negócio só não dá certo se o empreendedor falhar tendo falta de visão e compromisso.

 

Quando se trata de vendas, o relacionamento é o que mais importa

Grandes diferenciais é o que tornam você como empreendedor em alguém especial e interessante!

Não basta ter uma boa ideia e achar que isso será suficiente. Qualidade não é mais um luxo para as empresas e sim uma obrigação.

O fato de ter uma marca conhecida ou um layout bonito não garante boas vendas o ano inteiro, já que, se você não agir de forma assertiva, com estratégias de engajamento, passará a estar no time daqueles que empreenderam e que não conseguiu vencer por ignorar a parte mais importante dessa equação: seus pupilos.

A Forrester Research realizou um estudo de cinco anos sobre o índice de retorno quanto a esse tema, e constatou que a experiência do cliente é o fator mais forte na fidelidade do consumidor. Com base nessas pesquisas, a Forrester chega ao ponto de afirmar que nada mais no seu negócio importa, tanto quanto a experiência do cliente.

Mas, como fazer isso?

  • crie uma experiência diferenciada e dedicada ao seu cliente;
  • saiba usar a persuasão ao seu favor;
  • esteja onde ele está: redes sociais, blog, e-mail etc;
  • seja justo e não queira só perder ou só ganhar;
  • encontre clientes que confiem em você, e confie em seus clientes;
  • não deixe de responder às pessoas que curtem seu trabalho (mesmo se você começar a crescer demais, crie um canal de comunicação entre sua incrível história e as pessoas).

 

O que Walt Disney pode te ensinar sobre isso?

Certa vez, disseram para o irmão de Walt Disney (o Roy) que era uma pena Walt não ter tido a oportunidade de ver surgirem os parques.

A isso, Roy respondeu: “ele viu, sim. Na verdade, ele foi o primeiro a visualizar”.

Você é o primeiro a conseguir enxergar o seu sucesso, só basta sair do mundo das ideias e entrar em ação, como fez Walt Disney.

Se o que você deseja é escrever um livro, um artigo para blog, um roteiro para filmes de ficção, e quer vendê-los, qual o problema nisso? Sua mensagem é propagada COM o dinheiro como um aliado, portanto, não tenha medo de vender.

São muitas as possibilidades! Você pode dar vida a todas elas.

De repente, um ataque alienígena é a salvação para a terra… ou a evolução da tecnologia faz com que a terra se torne tão completamente diferente, que os humanos terão de lidar com a extinção da própria raça e também com a luta pela sobrevivência.

 

Como fazer parte da vida das pessoas?

O que vale mesmo é você ser resiliente diante de qualquer meta que tenha, e ter o desejo de atuar como alguém que realmente faz a diferença. Como alguém que consegue tocar as outras pessoas, mesmo que sua pele nem seja capaz de transmitir calor.

Consegue entender como isso é possível?

Emoções e energia são transferidas de diversas maneiras e, para vender muito, basta você aprender como tocar alguém. Aprenda a fazer parte da vida das pessoas.

Vendas não se tratam de ter que empurrar algo de goela abaixo para o cliente, mas sim de impressionar, de estimular a curiosidade, de gerar interesse e emoções que arrepiam a pele, que levam ao desejo e que causam euforia, alegria, satisfação.

Depois que você conseguir processar bem todas essas informações, sua visão mudará. Você saberá que não precisa vender sua alma para ser feliz, para prosperar e para viver bem, de acordo com sua mensagem e com alegria.

Faz sentido?

 

ÓTIMO! Então…

…espero que essa matéria te estimule e te ajude a ser um empreendedor de visão!

Comente abaixo para eu saber o que você tem a compartilhar sobre o assunto!

 

{Texto em co-autoria com Carol Alvarenga.}

Deixe um comentário