Dinheiro e estabilidade podem ser um fardo para quem quer trabalhar com algo não usual?

Vale a pena trabalhar em algo que você não gosta por conta da estabilidade? E a pergunta de um milhão: se você faz o que gosta, o dinheiro vem sozinho?

Vale a pena trabalhar em algo que você não gosta e ter estabilidade econômica?

Aproximadamente 20 anos atrás, 300 pessoas receberam um incentivo para pedir exoneração de um cargo público. Muitas delas não estavam felizes com o que recebiam. Outras não estavam contentes com o que faziam. E, caramba, o setor privado prometia ser uma alternativa a se levar em conta.

Essas pessoas receberiam o equivalente a R$ 150 mil, na época, para saírem do órgão público. Era o momento ideal para iniciarem seus projetos longe da estabilidade.

Alguns foram embora, muitos escolheram ficar.

Dos que foram embora, apenas alguns conseguiram lidar com a liberdade e com o dinheiro. Outros tantos, rapidamente gastaram o que receberam. Esses já não tinham mais perspectivas de uma boa carreira e um bom negócio. Torraram tudo.

Entretanto, um dos rapazes que saiu decidiu realizar alguns testes. Usou a própria casa como uma pequena produção agrícola para continuar recebendo dinheiro regularmente. Também usou o tempo que tinha para dar algumas aulas de recuperação de matemática na pequena região administrativa onde morava.

Ele investiu parte do dinheiro que recebeu em um fundo de baixo risco. Com a outra parte do dinheiro, abriu um pequeno negócio de factoring.

Esse rapaz era diferenciado, porque tinha um plano claro para não gastar ou perder tudo.

Neste artigo, iremos lidar com a perspectiva. Iremos lidar com possibilidades. Não temos as respostas para todas as perguntas (na realidade, ninguém tem!), mas podemos te ajudar a descobrir quais são os possíveis cenários da dualidade paixão x estabilidade. Nossa ideia é que você tome decisões com base em critérios específicos.

#VamoSimbora

 

Ideias, perguntas, premissas e meditações sobre a estabilidade versus a paixão

A pergunta de um milhão de dólares: se você faz o que gosta, o dinheiro vem sozinho?

Contradizendo muitos gurus, por aí, a nossa resposta, no JOI, é: NÃO.

O que nós realmente acreditamos é em melhoria contínua. Ficar bons no que fazemos é o que geralmente nos leva a ter paixão.

Esse negócio de dinheiro ser a consequência não é resultado direto da paixão. É resultado da descoberta da paixão.

Para que você entenda melhor, veja o gráfico a seguir. Ele possui duas estradas.

Qual você realmente acha que deve ser percorrida, quando o assunto é fazer dinheiro?

 

Ficar no sofá esperando a paixão ou ficar BOM em alguma coisa?

 

Se você for pensar, isso é como acontece nos relacionamentos. Primeiro você fica com interesse em alguém. A pessoa te atrai. DEPOIS é que vem o amor, a paixão.

Então, quais são as possibilidades? Como tomar decisões de acordo com cada tipo de situação? Qual é o melhor momento para escolher entre a estabilidade e a paixão? Os dois podem caminhar juntos?

 

Regra básica: continue acreditando no projeto

Como diria Minerva McGonagall: “isso”, meu caro, “é óbvio”.

Esse lance de: “continue acreditando” é óbvio, sim, mas muita gente se esquece até do que parece ser tão simples. Bem, estamos aqui para te lembrar.

Há algumas práticas para que você continue acreditando no projeto, mesmo que ele não demonstre uma certa estabilidade inicialmente.

 

1) Pense em suas necessidades mais básicas.

Um dos princípios básicos para lidar com a incerteza do futuro é que cada pequeno passo tem que nos deixar vivos para dar o próximo passo.

Isto é, se eu gastar as minhas poupanças no meu novo projeto e isso não me permitir alimentar a minha família, vai ser uma jogada inteligente? Claro que não. Eu preciso atender às necessidades mais básicas da minha pirâmide de Maslow e, em seguida, lidar com os itens subsequentes.

 

2) Não mude por comparação.

Às vezes, você terá de caminhar lentamente. Às vezes, seu amiguinho vai chegar primeiro.

Eu tenho uma tia que é muito talentosa, que tem todas as condições de arrasar na própria área, mas que fica pulando de galho em galho e nunca consegue chegar aonde realmente quer.

“Ah, fulano está ganhando rios de dinheiro com MAÇÃS, acho que vou largar tudo e começar minha plantação”.

Você deve parar de se comparar, sabe? Isso é olho gordo no que os outros estão fazendo. Você, na verdade, não sabe a realidade das outras pessoas. Elas podem fazer parecer fácil, mas não é assim que as coisas funcionam.

Leve como premissa de que tudo dá dinheiro. Você deve descobrir COMO, e não ficar trocando de árvore a cada novidade que aparece no mercado.

 

3) O amanhã é hoje

“Quando eu tiver dinheiro suficiente, então sim, eu vou fazer tudo que eu sempre quis”.

Essa frase representa uma ilusão que serve para atrasar (ou procrastinar) quem acredita nela. Nós não controlamos o futuro, nem podemos saber o que a vida trará no futuro. Quem nos garante que vamos estar vivos daqui por um ano? Como podemos perceber o quanto é dinheiro suficiente para finalmente desfrutar?

Faça agora, porque o amanhã não existe.

 

4) Desafie a si mesmo a agir para além da incerteza (aprenda a dançar na chuva):

Pequenos passos fazem a diferença. Mesmo se não temos certeza de que nossa empresa irá fazer crescer nossa conta bancária, passos diários (um de cada vez) são essenciais para fazermos o que amamos.

Aproveite a jornada fazendo o que você deve fazer. Se tempo for o problema, construa tempo para isso. É assim que a maioria de nós, que já conquistamos paixão + dinheiro, fazemos.

Se você não fizer pelo menos uma coisa no dia que te deixe mais satisfeito do que quando começou, talvez suas prioridades na vida estejam erradas.

Responda às perguntas abaixo:

  • Já passou pelo dilema de fazer o que você gosta versus ganhar dinheiro?
  • Como você resolveu isso? O que ajudou a encontrar respostas?
  • O que você diria a alguém que ainda está preso no dilema paixão – dinheiro – talentos?

Para resumir, vamos colocar tudo em um esqueminha fofo:

Plano para conquistar (o seu) mundo

 

Será que não se deve escolher um trabalho apenas por dinheiro?

Mais uma vez, nós vamos bater de frente com o pessoal por aí.

Muitos vêm com o discurso de que escolher um trabalho apenas por dinheiro é o maior erro que você pode cometer. Eles dizem que esse é o caminho para o fracasso pessoal.

Nós não acreditamos nisso. Pelo menos não acreditamos nisso como se fosse uma regra inquebrável.

Quem não quer ter sucesso e dinheiro? É normal e todos nós queremos.

No entanto, por se concentrar apenas em dinheiro, você concorda que a sua felicidade e realização dependem de fatores externos (dinheiro) e a percepção que os outros têm sobre você. Ao basear a sua felicidade e satisfação no dinheiro, você se torna um escravo dela.

Bob Dylan disse:

O que é dinheiro? Um homem triunfa quando ele é livre para fazer o que ele quer.

 

Só que em algumas situações…

Se não for um sim óbvio, então é um não óbvio.

Só que em algumas situações seria burrice largar o emprego.

Nesse momento, eu aplico a regra da roupa.

Eu e minha mãe criamos essa regra.

Se ficamos em dúvida sobre levar ou não uma peça de roupa nova para casa, nós não a levamos e ponto. Certamente, se levássemos, essa roupa ficaria encalhada.

Às vezes, ficamos em dúvida se realmente queremos sair da estabilidade. As pessoas com quem você trabalha são legais, você consegue de qualquer jeito tocar seu negócio ao mesmo tempo, ganha bem e, ainda por cima, está em dúvida se realmente quer sair. Não saia. O momento certo vai chegar e você vai dizer o seu “sim óbvio” na hora certa.

 

Ainda falando sobre essas algumas situações: o cuidado de não confundir o que você quer com o que você precisa

Cuidado com o termo paixão.

E cuidado para você não colocar todo o peso do dinheiro no que você tem como meta de paixão. Acabaria que sua meta seria o dinheiro, e não seu projeto.

Por isso, o lance não é desistir do que se deseja fazer em prol da estabilidade. Ou da grana.

O lance é arregaçar as mangas e dar um jeito de fazer os dois ao mesmo tempo, enquanto for necessário.

O lance é fazer o que você deseja fazer independentemente do seu emprego.

 

Por outro lado…

Por outro lado, você deve saber distinguir o que você faz temporariamente daquilo que você ODEIA. Essas são duas coisas diferentes.

Pense nisso. Você acha que tem um trabalho estressante? Você o detesta? Fatores externos (como dinheiro e aprovação social) a longo prazo não motivam especialmente as pessoas que buscam conhecimento.

Chegará um ponto em que o dinheiro não será suficiente. Você vai perder a motivação, você não vai gostar do que faz. Provavelmente, não vai aguentar passar oito horas em um escritório todos os dias fazendo algo que você mesmo não valoriza.

Nesse caso, procure outro emprego, antes de continuar seu projeto. Procure algo que você não odiaria fazer, enquanto toca sua música.

 

Estabilidade econômica não é sinônimo de felicidade. O que fazer quando você se arrepende de uma escolha errada?

A vida é feita de escolhas e muitas vezes nos deparamos com opções que as colocam em causa. Ter o poder de decidir pode ser muito libertador, o problema começa quando uma escolha se torna um arrependimento.

É normal que ao longo do tempo, algumas escolhas do passado se tornem erros. Porém, estagnar a vida pensando no que poderia ter sido pode ser bem pior.

É comum que as pessoas reclamem de trabalhar demais dando pouca atenção para a família, ou ainda, de fazerem aquilo que não gostam.

Quando você faz o que gosta, seus arrependimentos são menores. Conheça seus pontos fortes. O autoconhecimento evita frustrações e ajuda a tomar decisões mais acertadas na carreira.

 

E já que se arrepender faz parte da vida, veja abaixo algumas dicas que podem ajudar a superar seus arrependimentos:

1. Aprenda a se perdoar

Errar é humano. Não perca tempo remoendo o passado. Não é possível mudá-lo, mas é possível mudar o futuro e aproveitar o presente. Seja mais gentil consigo e pare de pensar no que passou para conseguir ver as oportunidades que estão no presente e poder evitar erros parecidos.

2. Veja o lado bom das coisas

Focar no lado bom ajuda a deixar as escolhas mais fáceis e você se sente mais feliz. Se largou o emprego dos sonhos para ganhar mais, pense nas coisas boas que o dinheiro lhe irá trazer. Você pode estar trabalhando em algo que não gosta tanto, mas está pagando seu apartamento sem sufoco.

3. Aceite seus limites

A vida nos impõe algumas situações-limite e é necessário saber lidar com isso, fazendo o que é possível. Foque no que você pode mudar. O importante é entendermos isso e não ficar nos culpando pelo que poderia ter sido.

4. Faça novos planos

Se não investiu em um negócio quando teve a oportunidade, não desista desse sonho. Recomece. Não há nada de errado com recomeços.

5. Seja fiel a você mesmo

Não viva a vida que os outros esperam que você viva. Isso, em geral, gera muita angústia no decorrer da vida. A sociedade impõe obrigações às pessoas, mas você deve decidir os rumos e de que forma deseja viver. Sua vida, suas regras.

6. Mude de rota

Algo não saiu como o planejado? Mude, faça alterações para chegar ao objetivo e não espere tudo dar errado para tomar uma atitude.

Espero que este artigo tenha te ajudado a entender o que é mais importante na vida. Se você esta em dúvida, siga nossas dicas acima e reflita sobre o tema antes de tomar qualquer decisão.

Deixe um comentário